MENOS DE DUAS SEMANAS PARA VER ESTE RETRATO DA HUMANIDADE NO MUSEU DA ELETRICIDADE

“7 mil milhões de outros” está patente no Museu da Eletricidade até 8 de fevereiro. Mais de 20 mil pessoas já visitaram este labirinto de histórias contadas por gente dos quatro cantos do mundo.

A videoexposição 7 mil milhões de Outros, que inaugurou a 8 de novembro no Museu da Eletricidade, em Lisboa, conta já 20 mil espectadores que por ali passaram para ver e ouvir o que têm a dizer acerca da vida as seis mil pessoas a quem foram feitas 45 questões acerca do medo, da morte, de Deus ou da duração do amor. A quem foi pedido que cantassem uma canção ou que dissessem uma oração. Depois de Paris, Xangai, Dakar ou São Paulo, a exposição está em Lisboa, onde pode ser vista até 8 de fevereiro.

“Tudo começou com a avaria de um avião no Mali. Enquanto aguardava pelo piloto, passei um dia inteiro à conversa com um aldeão”, explicava em Lisboa o autor Yann Arthus-Bertrand, fotógrafo francês conhecido pelo grande público através do livro La Terre vue du Ciel (A Terra Vista do Céu). Desde aí, em 2007, várias equipas de repórteres estiveram em 84 países a criar o acervo de histórias que compõe este projeto da fundação GoodPlanet, a que Bertrand preside.

[Tweet “@7_billionothers está patente no #MuseudaEletricidade até 8 de fevereiro”]

Atualmente, o Museu da Eletricidade está repleto de salas e passagens forradas a cortiça onde podem ser vistos os 19 vídeos que figuram nesta videoexposição. Entre eles, há quem nos fale da China ou do Afeganistão em vídeos como Primeiras lembranças ou Histórias de amor.

A novidade que proveio da passagem por Lisboa desta exposição itinerante foi o vídeo Portugueses. São 40 rostos – 20 portugueses e 20 estrangeiros a viver no país – que nos falam da nossa identidade e de muito do que não tem geografia.

Os próprios visitantes podem, durante a visita, entrar numa pequena cabine onde lhes são feitas algumas perguntas cujas respostas filmadas se tornarão parte deste arquivo em constante crescimento mundo fora. Os bilhetes custam dois euros.

Fonte: Diário de Notícias