DESIGNERS LUSOS LEVAM DUALIDADE À SEMANA DA MODA DE MADRID

A moda portuguesa vestiu ontem a passarelle da Semana da Moda de Madrid, com três designers portugueses a misturarem o “luxo clássico” com o desportivo, tecidos “nobres” com outros “pobres” e a tradição da alfaiataria com materiais técnicos.

Na 30.ª edição da semana da moda da capital espanhola, Portugal teve honras de país convidado, para apresentar as propostas de três estilistas para o Outono/Inverno 2015.

Miguel Vieira, um veterano das andanças do Portugal Fashion pelo Mundo, apresentou uma coleção que descreve como de “luxo minimalista”.

“O conceito desta coleção tem um foco que é o luxo, o segmento alto, as grandes matérias primas, tanto em termos de calçado como vestuário ou os acessórios”, disse à agência Lusa o estilista, antes do desfile.

No entanto, para a coleção Outono/Inverno 2015, o designer de São João da Madeira moderou esse apelo ao “luxo mais clássico”, com o uso de “detalhes mais desportivos”, misturando tecidos de gama alta “com materiais mais pobres, como a rejilla ou o algodão”.

Ana Baldaque é uma estreante em Madrid e afirma que decidiu “brincar com conceitos”.

“Vim desmistificar que as sedas têm de ser para a noite, que os tweed têm de ser para o dia-a-dia. Nesta coleção quis brincar com esse conceito, misturar as coisas: o luxo e o simples, os tecidos grossos e os finos, misturar várias formas de estar, malhas muito sofisticadas, como o Lurex, mas depois as formas [das peças] são as de fatos de treino”, salientou.

[Tweet “Portugal teve honras de país convidado na #FashionWeekMadrid”]

Ana Baldaque – que a convite do Portugal Fashion já passou pelas passerelles internacionais de Barcelona, Nova Iorque, Paris e São Paulo – disse que as cores também integram este conceito “mais irreverente”.

“Eu tanto misturo uma cor muito comum, como é o preto, com cores mais vibrantes, como o laranja. Quis pegar em coisas que não são muito óbvias, tanto na palete de cores como nos tecidos, e misturá-las todas”, realçou a estilista.

Outro estreante em Madrid, Júlio Torcato trouxe uma coleção inteiramente masculina.

“A coleção é sobre os opostos que se atraem. Os materiais contam uma história da velha tradição de alfaiataria – com os tweeds ingleses e os padrão Príncipe de Gales – misturados com materiais mais técnicos, mais atuais, de forma a construir uma nova imagem, de um homem mais moderno”.

A presença dos designers portugueses em Madrid, considerou Miguel Vieira, também representa uma oportunidade para os espanhóis atualizarem a imagem que têm de Portugal.

“O publico espanhol conhece muito pouco da moda portuguesa e da cultura de Portugal em geral”, disse o estilista, acrescentando que os designers “podem contribuir para mudar esse cenário”, dando uma imagem de um país moderno, cosmopolita e com um design de moda ao nível da qualidade dos seus têxteis.

Fonte: Notícias ao Minuto